sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Origem da Família Rios-1

O português Manoel Ferreira Fonteles foi o antigo povoador mais prolífico da ribeira do Acaraú. No ano de 1987 transcorreu o tricentenário de seu nascimento, motivo suficiente para que seu nome seja lembrado pelos milhares de descendentes, entre os quais estou incluído, e a oportunidade para que se aprofundem os estudos sobre as origens históricas da formação das primeiras famílias que se estabeleceram nesta parte do Ceara, que tem atualmente a cidade de Sobral como pólo de desenvolvimento. Sua primeira fixação na região e a enorme descendência de que e origem o caracterizam como o verdadeiro Adão do Vale do Acaraú.

Manoel Ferreira Fonteles nasceu, a 7 de março de 1687, no lugar Fontelo, freguesia de Meixomil, região de Entre Douro e Minho.
http://www.meixomil.pt/

A matriz de Meixomil tem por orago o Divino Salvador. É sede de uma das dezesseis freguesias que compõem o concelho de Paços de Ferreira, de onde distam dois quilômetros: A vila de Paços de Ferreira, sede do concelho de igual nome, dista 30 km da cidade do Porto que é a capital do Distrito.


Casa do Fontelo

A 2 km da Matriz de Meixomil está situada a Casa do Fontelo, hoje pertencente à família Carneiro Leão. O nome provém da existência de pequeno ribeiro, com tal nome, a escorrer da freguesia vizinha de Penamaior.

As terras circundantes são férteis e apropriadas às atividades agropecuárias.

A casa antiga era assim descrita: Uma casa torre de sobrado telhada e, ao cabo de si, uma casa terreira colmaça e uma cortina pegada ao paço velho; mais uma cozinha pequena e palhaça pegada ao palheiro; uma devesa com sua eira no meio, com terra pouca e lavradia. Era confrontante Baltazar Barbosa. Ai nasceu o maior povoador das margens do Acaraú. Hoje, restam da antiga construção, direi que leves vestígios, em face de completa remodelação por que passara em 1901, anote-se um dintel nos baixos da cozinha, com a era de 1713.
A descrição detalhada da arquitetura dessa velha casa rural portuguesa serve para aquilatar a influência na construção das casas de fazenda Vale do Acaraú.

Matriz de Meixomil

Do ponto de vista histórico, a pequena matriz do Divino Salvador de Meixomil é uma preciosidade, por co elementos de valor artístico e conservar muitos laços da construção original. É um templo de pequenas proporções, mais típicas das capelas rurais portuguesas que, as partir dos séculos X e XI, foram sendo construídas, com expressão românica, embora com os acréscimos dos séculos XVII e XVIII nas partes laterais e ao fundo (sacristia).

É sede de paróquia desde o século XIII e pertence à Diocese do Porto. Possui livros de assentos paroquiais a partir de 1578, todos bem conservados no Arquivo Distrital da mesma cidade do Porto.
Nesse Matriz tornou-se cristão o Adão do Vale do Acaraú.

Concelho de Paços de Ferreira

Meixomil é freguesia do concelho de Paços de Ferreira. Comparativamente ao Brasil, freguesia correspondente a distrito e concelho, a município.

A Vila é pequena, mas acolhedora. Está situada entre morros de pouco relevo, dos quais sobressai, ao norte, o monte de Sanfins, coroado pelas ruínas da antiga Citânia, expressiva estação arqueológica pré-histórica de Portugal.

O casamento dos pais

Em documentos paroquiais deste Curato do Acaraú constam que os pais de Manoel Ferreira Fonteles Chamavam-se Domingos Velho da Cruz e Maria Ferreira Pinto. Foi graças a estes dados informativos, que me foi possível encontrar, no Arquivo Distrital do Porto, mais precisas notícias sobre os ascendentes desse nosso ancestral. O primeiro informe preciso foi o termo do casamento de seus pais realizado, a 7 de janeiro de 1683, na matriz de Meixomil.
Para a Ribeira do Vale do Acaraú vieram, especialmente, camponeses do Minho e pescadores das póvoas da hoje chamada Costa de Prata.

A 14 de outubro de 1702, o Capitão-mor Francisco Gil Ribeiro concedeu extensa sesmaria, nas margens do rio Acaraú, preenchendo os vazios não ocupados por Manoel de Góes e seus companheiros que haviam recebido terras a 20 de setembro de 1683. Essa nova sesmaria foi concedida a Maria de Sá, mulher do Capitão Felix da Cunha Linhares, e a Nicolau da Costa Peixoto, medindo duas léguas de comprido e uma légua de largo, sendo meia légua para cada banda do rio Acaraú. Maria de Sá era também cunhada de Nicolau da Costa Peixoto que, por sua vez, era filho de Antonio da Costa Peixoto que foi vereador da primeira câmara municipal de Aquirás.

Parte desta sesmaria foi, posteriormente, vendida a Manoel Ferreira Fonteles, onde se estabeleceu e instalou a fazenda Tucunduba, perto da serra do mesmo nome, em território hoje pertencente ao município de Marco, distrito de Panacui.

Não sabemos em que ano, exatamente, Manoel Ferreira Fonteles emigrou para o Brasil. 0 certo é que não chegou ao Ceara antes de 1715. Anteriormente, esteve em Pernambuco, onde desembarcou em Olinda conheceu um seu patrício, de nome Francisco Ferreira Brandão, com quem mantinha fortes laços de amizade. Este tinha uma filha de menor idade, chamada Maria Pereira. Tendo que viajar para o Ceara, o jovem Manoel combinou com seu amigo que casaria com sua filha, logo esta alcançasse a idade núbil. No tempo oportuno combinariam a data do casamento, quando então, se encontrariam na Vila de Aquirás para realizar a cerimônia do matrimônio religioso. Estando tudo assim acertado, Manoel embarcou para o Ceará em busca de terras e trabalho.

A Fazenda Tucunduba

Por volta de 1725, Manoel Ferreira Fonteles recebeu carta do patrício residente em Pernambuco, na qual comunicava que estava a preparar viagem ao Ceará, em companhia da filha Maria, com o fim de realizar o casamento.

Uma vez casados, Manoel Ferreira Fonteles e Maria Pereira vieram para a ribeira do Acaraú. A fazenda, cujo nome lembra abundancia de tucum ou palmeiras, media meia légua de terra, de comprido, com meia légua de largo, tudo de uma só banda do rio Acaraú, à margem esquerda, e confina ao norte com as fazendas Salgado e, ao sul, com as fazendas Raiz e Várzea Redonda. Conforme levantamento feito pela Câmara Municipal de Sabra em 1788, a Tucunduba possuía os seguintes bens semoventes: 28 cabeças de gado de açougue, 100 vacas parideiras, 10 potros, 30 novilhos, 25 garrotes, 70 cabras e 46 cabritos.

Possuía mais 2 escravos, uma engenhoca, 3 machados, duas enxadas, duas foices e um cavador. Quanto à produção agrícola, dispunha de 5.000 covas de mandioca, 100 mãos de milho de colheita e 25 braças de terra plantadas de algodão, onde colhia 6 arrobas em caroço por safra.
Estes dados demonstram que Manoel Ferreira Fonteles chegou a possuir um bom patrimônio, o que o fez conseguir proeminência social na região, tendo exercitado influência política e chegado ao posto de

Tente do Regimento de Ordenanças. O que havia aprendido na Casa do Fontelo procurou aplicar no Vale do Acaraú, de cujas atividades agropecuárias foi um dos pioneiros nos primórdios de nossa colonização.
O tenente Manoel Ferreira Fonteles teve também projeção no campo religioso, pois muito ajudou na construção da capela de Santana do Acaraú, cuja benção se realizou no dia 9 de agosto de 1739.
Foi Juiz Ordinário da Câmara de Fortaleza, no ano de 1741. A 26 de julho de 1745 foi eleito juiz ordinário da ribeira do Acaraú, com posse a 22 de abril do ano seguinte.
Na Tucunduba, o tenente fundou também uma escola, que foi a primeira a funcionar nos sertões do Vale do Acaraú. Foi Juiz Ordinário da Ribeira do Acaraú, com juramento e posse a 22 de abril de 1746.

A Prole Legítima

Do casamento de Manoel Ferreira Fonteles com Maria Pereira, nasceram seis filhos, a saber:

1. Maria Ferreira Fonteles, nascida em 1729 e casada com o português Capitão Mateus Mendes de Vasconcelos, filho de Mateus Mendes e Ana Carvalho, naturais de Travanca, concelho de Amarante, a 19 de setembro de 1743. Faleceu a 2 de julho de 1795. Seu marido Mateus faleceu a 7 de janeiro de 1793. Tronco das numerosas famílias Mendes e Vasconcelos.

2-Ana Ferreira do Espírito Santo, nascida em maio de 1732, casada com o português ajudante Francisco de Farias Almeida, filho de Francisco de Farias Almeida e Emerência de Jesus Magalhães, a 22 de julho de 1753. Tronco das famílias Santos, Farias e junção com a família Sousa.

Os outros quatro filhos casaram com filhos do capitão Ângelo Dias Leitão e Rosa Maria Ferreira, paraibanos e moradores no Cocó, arrabalde de Fortaleza, a saber:

3-MANOEL FERREIRA FONTELES FILHO, nascido em maio de 1740 c.c. Ana Maria da Conceição, filha do citado Ângelo, a 12 de novembro de 1755. Faleceu a 18 de julho de 1795. Ana Maria faleceu a 19 de fevereiro de 1818. É o tronco mais petrolífero da família.

4-BIBIANA FERREIRA, batizada em dezembro de 1742, c.c. Quintiliano Dias Leitão, filho do mesmo Ângelo, a 20 de agosto de 1756. Quintiliano faleceu a 23 de fevereiro de 1815 e Bibiana, a 9 de agosto de 1805.

5-TOME FERREIRAFONTELES, gêmeo, nascido a 28 de dezembro de 1747, de cujo parto faleceu a mãe. Casou com Maria José de Verçosa filha do mesmo Ângelo e Rosa Maria, a 27 de novembro de 1764. Maria José faleceu a 1º de maio de 1785.

6-FRANCISCO FERREIRA FONTELES (RIOS), gêmeo com o precedente, nasceu e casou nos mesmos dias que o irmão Tomé. 0 1º matrimônio foi com Inácia Ferreira de Verçosa, filha do citado Ângelo. 0 2º, com Ana Quitéria de Jesus, filha de João da Fonseca Álvares e Maria Teresa de Jesus, a 4 de agosto de 1796. Faleceu a 18 de julho de 1815. Tronco da família Rios.
O alferes Ângelo Dias Leitão, sogro desses quatro filhos, foi Juiz Ordinário da Câmara Municipal de Fortaleza em 1742.

São estes os seis filhos do primeiro matrimônio de Manoel Ferreira Fonteles, o Adão do Vale do Acaraú. Tendo falecido sua primeira mulher Maria Pereira, a 28 de dezembro de 1747, do parte dos dois gêmeos, casou, em segundas núpcias, com Rosaura Maria de Mendonça, a 28 maio de 1752, viúva de Bento de Barros, falecido a 7 de janeiro de 1752
Deste segundo matrimônio não houve descendência.

O distante Manoel Ferreira Fonteles passa por ser o fomentador da criação do povoado de Sobral- hoje esplendorosa cidade - a par da Ribeira do Acaraú, no nordeste litoral do Brasil.
Bem sei que a desejo de resgate da memória do Tenente Manoel Ferreira Fonteles, manifestado pelo ilustre jornalista português da gazeta ferreirense, e o mesmo dos seus inumeráveis descendentes brasileiros que habitam esta Ribeira do Acaraú.

Felizmente, por iniciativa lúcida e benemerente do engenheiro. Ângelo Carneiro Leão, atual proprietário da Casa do Fontelo, a memória do ignorado patrício começou a ser retomada. Realmente, no dia 14 de agosto de 1988, com a presença das principais autoridades do concelho de Paços de Ferreira, do cônsul do Brasil no Porto, e de muitos familiares e amigos do Dr. Ângelo Carneiro Leão, foi aposta uma placa marmórea, na entrada principal da Casa do Fontelo, com os seguintes dizeres: Aos sete dias de março do ano da Graça de 1687, nasceu nesta casa Manuel Ferreira Fonteles que, desperto pela gloriosa vocação lusíada, foi pioneiro e povoador da cidade e região brasileiras de Sobral - Ceara. Em sua memória colocou-se esta lápide com a presença do seu ilustre descendente, Reverendo Doutor, Francisco Sadoc de Araújo, atual Reitor da Universidade de Sobral. Fontelo, aos 14 de agosto de 1988.

Como ele muitos outros portugueses fincaram profundas raízes no processo civilizatório da nação brasileira e continuam ainda esquecidos no Brasil, como em Portugal. A justiça da história exige que o exemplo da comunidade de Meixomil seja imitado, para o brilho da verdade e ressarcimento da lesa gratidão.

Asscendência Materna-Lucivan Rios (Totó)

--> Heptavós peternos-João Velho C.c Maria antônia
Heptavós materno-Domingos Ferreira C.c Maria Antônia
Hexavós materno-Domingos Ferreira C.c Maria Antônia
Hexavós paterno-Domingos Velho da Cruz e Maria Ferreira Pinto
Pentavós-Manoel Ferreira Fonteles C.c Maria Pereira
Tetravós-Francisco Ferreira Fonteles (Rios) C.c 1ª Inácia Ferreira de Verçosa e 2ª Ana Quitéria de Jesus
Trisavós-Manoel Ignácio Rios C.c Ana Joaquina Rios
Bisavós-Antônio Ignácio Rios C.c Antônia Rufina Rios
Avós-Ignácio Eduardo Rios e Alzira Pereira dos Santos
Pais-Inácio Arimá Silveira C.c Maria Gisela Rios Silveira
Lucivan Rios Silveira (Totó) C.c Maria de Fátima Freitas Silveira
Filha-Lorena Freitas Silveira

Fonte: Raizes Portuguesas Vale do Acaraú
Pe. Francisco Sadoc de Araújo

5 comentários:

ADEMAR MNENDES BEZERRA - DES. DO TJCE E PROF. DA FACULDADE DE DIREITO DA UFC disse...

CARO PARENTE TOTÓ RIOS. SOU VÁRIAS VEZES DESCENDENTE DE MANOEL FERREIRA FONTELES, PELOS MENDES DE VASCONCELOS, ATRAVÉS DE MATEUS MENDES E PELOS FERREIRA DA PONTE, POR INTERMÉDIO DE DE MANOEL FERREIRA FONTELES FILHO E AINDA VIA XIMENES DE ARAGÃO, PRECISAMENTE DA TERCEIRA MULHER DE ANACLETO FRANCISCO XIMENES DE ARAGÃO, PERNAMBUCANO DE IGARASSU, OU SEJA, DE JUSTA MARIA DA GLÓRIA FONTELES E MAIS UMA VEZ, POR INTERMÉDIO DO MAJOR JOSÉ FERREIRA DA COSTA, FILHO DO CAPITÃO-MOR DE SOBRAL, MANOEL JOSÉ DO MONTE E DE D. ANA AMÉRICA UCHOA, FILHA DE OUTRO CAPITÃO-MOR DE SOBRAL, NASCIDO A EXEMPLO DO GENRO, TAMBÉM EM PERNAMBUCO. JOSÉ DE XEREZ DA FURNA UCHOA, ASCENDENTE DO PRESIDENTE JOSÉ LINHARES, DE D. JOSÉ, DO DR. JOSÉ SABÓIA, QUANTO DOS CORONÉIS ANTÔNIO ENÉAS PEREIRA MENDES,MANOEL FELIZARDO PEREIRA MENDES, E DE FRANCISCO FERNANDO PEREIRA MENDES, O PRIMEIRO MEU AVÔ, QUANTO DO DR. JOSÉ MENDES PEREIRA DE VASCONCELOS, DEPUTADO E NADOR DO ESTADO, UMA DAS FIGURAS MAIS IMPORTANTES DE SANTANA DO ACARAÚ, ONDE SE SITUAVAM AS PROPRIEDADES DE NOSSOS ANTEPASSADOS, ENTÃO PERTENCENTES AO CURATO DO ACARAÚ, CUJA SEDE ERA A VILA DE SOBRAL. TENHO ALGUMAS DÚVIDAS EM RELAÇÃO À ORIGEM DA FAMÍLIA RIOS, NA RIBEIRA DO ACARAÚ, DA QUAL FOI JUIZ ORDINÁRIO OUTRO ASCENDENTE MEU, ISTO É, O CAPITÃO GABRIEL CRISTÓVÃO TELES BARRETO DE MENEZES, NATURAL DA ILHA DA MADEIRA. COM EFEITO, MANOEL CARNEIRO RIOS, FILHO DE VICTORIANO CARNEIRO RIOS E DE D. MARIA DO REINO, CASOU-SE A 17 DE ABRIL DE 1748, COM MARIA DO LIVRAMENTO, ESTA FILHA DE GONÇALO FERREIRA DA PONTE E DE D. MARIA DA CONCEIÇÃO DO MONTE E SILVA, NATURAL DA ILHA DA MADEIRA, DE CUJO CASAMENTO HOUVE QUATRO FILHAS E UM ÚNICO HOMEM, O PADRE MANOEL CARNEIRO RIOS, APELIDADO DE MANOEL CARNEIRO DA RESSIRREIÇÃO. OS GÊMEOS FRANCISCO FERREIRA FONTELES E TOMÉ FERREIRA FONTELES, QUE SEGUNDO O MONS. SADOC SERIAM RESPONSÁVEIS PELO PATRONÍMICO RIOS, NASCERAM NO ANO DE 1747, JÁ EXISTINDO NA RIBEIRA DO ACARAÚ, DITO PATRONÍMICO,ATRAVÉS DE MANOEL CARNEIRO RIOS. A PROPÓSITO A CHEFE D O MEU GABINETE, CAROL XIMENES, É CASADA COM UM SOBRINHO DO STÊNIO RIOS. UM GRANDE ABRAÇO.

ADEMAR MNENDES BEZERRA - DES. DO TJCE E PROF. DA FACULDADE DE DIREITO DA UFC disse...

Sou várias vezes descendente do Adão da Ribeira do Acaraú, na acepção do Mons. Francisco Sadoc de Araújo, o maior linhagista da Ribeira do Acaraú. Através dos Patriarcas Mateus Mendes de Vasconcelos, de Manoel Ferreira Fonteles Filho, por intermnédio dos Ferreira da Ponte, quanto dos Capitães-Mores de Sobral Manoel José do Monte e José de Xerez da Furna Uchoa, ambos Pernambucanos. Tenho algumas dúvidas a respeito da origem da família Rios oferecida pelo Padre Sadoc, as quais residem no fato de Manoel Carneiro rios, ter se casado com d. Maria do Livramento, filha de Gonçalo Ferreira da Ponte e de sua 2ª mulher, D. Maria da Conceição do Monte e Silva, a 17 de abril de 1748, enquanto enquanto os supostos fundadores do Patronímico Rios, precisamente os G~emeos Francisco e Tomé Ferreira Fonteles, terem nascido em 1747, já existindo esse nome de família na Região, pou seja, na Ribeira do Acaraú, há mais de vinte anos. Veja o 1º Volume da Cronologia Sobralense, às páginas 36, 42 e 163. A propósito, Manoel Carneiro Rios, de seu casamento teve cinco filhos, quatro dos quais mulheres e um outro sacerdote, que levou seu nome, acrescido de Ressurreição, isto ré, Manoel Carneiro rios da Ressurreição. Descendem dentre outros, de Manoel Ferreira Fonteles, D. José, toda a Família Mendes de Sobral, entre os quais, o Dr. José Mendes Pereira de Vasconcelos - Deputado e Senador Estadual e ex-Prefeiro de Santana e tantou outros notáveis.

Acaraú pra recordar disse...

Primo Ademar Mendes,não sabia que seria parente de pessoa tão importante com o Senhor, agradeço sua visita a este humilde blog que tenta relatar um pouco da História de Acaraú.

maria rios disse...

Boa noite,

E agora o que eu faço...se tinha uma dúvida, agora tenho várias. Qual a versão correta?...Afinal, os gêmeos, Francisco Ferreira Fontelles e Tomé Ferreira Fontelles, casaram-se com as filhas de Angelo Dias Leitão ou de Manoel Carneiro Rios?
E se casaram com as filhas de Angelo Dias Leitão, porque adotaram Rios como apelido?..E se já havia esta família Rios, vieram de onde? Segundo algumas informações, Rios seria um sobrenome Espanhol. Aguardo um comentário que me ajude a solucionar esta dúvida. Maria das Graças Rios Lima Parnaíba PI.

Gina Fonteles disse...

GOSTARIA DE SABER COM VC TOTÓ, SE VC SABE DE ALGUMA COISA SOBRE ''JOAQUIM FERREIRA FONTELES'... MORO EM MARCO CEARA.

GINA KATIA FONTELES, ESSE É MEU NOME.

EM SEU AGUARDO...