quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Leudivan Alves Rodrigues

O incrível feito do acarauense que fez da aprovação em concursos uma rotina

Quem sonha com uma vaga no serviço público certamente sabe o quanto é difícil conseguir um resultado expressivo em um processo seletivo. Imagine, então, ficar entre os dez primeiros colocados em dez concursos? Foi o que conseguiu o cearense Leidivan Alves Rodrigues, de 33 anos. A relação inclui seleções locais, como a realizada em 2000 para agente administrativo na prefeitura de Aracaú, sua cidade natal, e nacionais, como as duas aprovações que alcançou para o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. Em três dos dez concursos, ele ficou na 1ª colocação.

A trajetória de Leidivan incluiu outros resultados expressivos, ainda que sua posição tenha ficado acima da 10ª. Entre eles, estão a 50ª colocação para analista do BNDES e a 161ª no concurso de 2011 para a Petrobrás, que lhe rendeu o emprego que ocupa até hoje. Leidivan conta que seu interesse em atuar no setor público começou quando foi estagiário da Caixa Econômica Federal. Para ele, um dos atrativos principais é a possibilidade de ter um emprego estável. “Claro que estabilidade aliada a muito trabalho e produtividade, pois sempre fui um adepto de uma Administração Pública mais eficiente.”

Antes de ingressar na Petrobrás, Leidivan foi, por quase seis anos, escriturário do Banco do Brasil, onde exerceu até funções gerenciais. Ele também foi analista de Controle Externo no Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará (TCM-CE). Segundo ele, a educação básica de qualidade foi decisiva para seus resultados. “O que vem depois é mais desenvolvimento e maturidade do aprendizado. Sua mente já está aberta para desenvolver raciocínios de forma eficaz, então você acaba aprendendo tudo de forma mais rápida”, disse o administrador, que não despreza a importância de materiais como vídeos, testes e arquivos em pdf sobre conteúdos específicos, mas acredita que a leitura de livros é fundamental para bons resultados.

“Quem estudou por livros sabe do que estou falando. Você cria mais substância nos assuntos, consegue desenvolver melhor uma ideia, fica mais bem preparado para questões discursivas, dentre outras vantagens. Evidente que os materiais elaborados pelos renomados professores de cursinhos preparatórios são decisivos na vida de muita gente, mas ainda aposto muito nos livros!”

Formado em Administração pela Universidade Estadual Vale do Acaraú, que fica em Sobral, no Ceará, Leidivan viajava 220 km por dia no trajeto de casa para a faculdade. Sua rotina foi essa durante os cinco anos do curso. Ele ainda conciliava a faculdade com oito horas de trabalho. Com o dia tão corrido, não dava para, nessa época, priorizar os concursos. “Fiz poucos, contudo meu foco era fazer a faculdade bem feita, pois isso facilitaria futuramente no mundo dos concursos”, relembra Leidivan, que buscava, pelo menos, estudar seis horas por dia nos finais de semana e, quando conseguia, no ônibus, a caminho da faculdade ou de casa.

Dessa forma, ele foi “criando substância” em disciplinas como Matemática Financeira, Matemática e Raciocínio Lógico, Economia, Português, Contabilidade, Direito Administrativo, entre outras que costumavam ser cobradas nos concursos que mais lhe interessavam. Após terminar a faculdade, ele direcionou mais o estudo em especial para Contabilidade Geral e outros ramos do Direito. Estabelecer uma prioridade para preparação, por sinal, é uma das recomendações de Leidivan para quem sonha com a carreira pública.

Publicidade

“Tenham foco, disciplina e perseverança. O foco é necessário para não haver desperdício de suas energias, de seus esforços. Você terá mais possibilidade de ter sucesso se priorizar uma área ou concursos com interseção de disciplinas cobradas. E lembrem-se: o sucesso não vem ao acaso. No pain, no gain”, concluiu o administrador na Petrobrás.

Concursos para os quais Leidivan Alves foi aprovado

- Primeiro lugar para agente administrativo na Prefeitura de Aracaú, em 2000
- Primeiro lugar no polo de classificação de Itapipoca (CE) no concurso para técnico bancário da Caixa Econômica Federal, em 2004
- Primeiro lugar para o interior e 2º lugar geral no Estado no concurso para escriturário do Banco do Brasil, em 2010
- Quarto lugar na Região Nordeste no concurso para Administrador (Processo Administrativo II) para a Dataprev, em 2010
- Quinto lugar no polo Aracati (CE) e 22ª colocação em todo o estado no concurso para técnico bancário da Caixa Econômica Federal de 2010
- Sexto lugar, na Regional Ceará, no concurso de 2011 para a Transpetro
- Oitavo lugar no concurso para o cargo de auxiliar judiciário na Comarca de Acaraú
- Oitavo lugar no concurso para o cargo de analista de controle externo do concurso de 2010 para TCM-CE.
- Oitavo lugar no concurso de 2012 para o cargo de analista de regulação, especialidade administrador, para a Agência Reguladora do Estado do Ceará.
- Nono lugar, em relação ao interior do estado do Ceará, no concurso de 2013 para o cargo de escriturário do Banco do Brasil
- Décima quinta posição (no interior) e 66ª no estado do Ceará, no concurso para analista do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), de 2010
- Posição de número 50 no concurso público para analista do BNDES, de 2012.
- Posição de número 137 no concurso para auditor da Contadoria e Auditoria Geral do Estado do Rio Grande do Sul, em 2013
- Posição de número 187 no concurso para auditor fiscal de tributos da Secretaria da Fazenda do Estado de Pernambuco, de 2014
- Posição de número 635 no concurso para administrador júnior Nacional da Petrobrás, em 2007, cargo para o qual chegou a ser convocado, mas não assumiu a vaga por preferir atuar no Banco do Brasil, na época.
- Posição de número 161 no concurso para administrador júnior da Petrobrás, em 2011. Trabalha na instituição até hoje.

Fonte: O Acaraú - Folha Dirigida

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Você nos anos 80


Fez curso de datilografia?
Odiava ou adorava as provas com cheiro de álcool, recém copiadas no mimeógrafo (usando papel estêncil)?
Não ia para a escola no dia do seu aniversário com medo de levar um ovo ou vários na cabeça?
VOCÊ...
Aumentava o rádio quando tocava Barão Vermelho, Engenheiros do Havaí, Paralamas e RPM ?
Usava caneta de 10 cores com cheiro?
Viu a Gretchen cantar Conga La Conga, o Ritchie cantar Menina Veneno?
Jogava Enduro e River Raid no Atari? E Master System?
Tentou fazer o break do Michael Jackson?
Brincava de Estátua, Batata-quente, Queimada, Pega-pega, Esconde - esconde, Forca, Cabra-cega, Passa Anel, Boca de Forno, Amarelinha, Casamento Atrás da Porta e STOP?
Tinha Melissinha, botas sete léguas, conga, ki chute? E sabia que o Tênis Montreal era o único anti-micróbio?
Comia "Lollo", antes de se chamar "Milkbar"?
Colecionava papel de carta?
Pulava elástico?
Usava aquelas chuquinhas de pano da pakalolo?
Dançava lambada do Sidney Magal ou do Beto Barbosa? Ou corria pra dançar quando escutava a música "chorando se foi, quem um dia só me fez choraaaar..."?
Usou aqueles brilhos labiais que o pote tinha forma de morango? Aqueles brilhos tipo da moranguinho?
Mascava ploc gigante? Chupava bala soft? Bebia crush? Comia bala xaxá?
Comprava dip lik, mini-chiclets e o pirulito que vinha com hélice, pra girar e voar?
Teve o pequeno pônei, as chuquinhas, ursinhos carinhosos, peposo ou a peposa ou então lango-lango?
Tinha os estojos com vários botões, com cola, durex, apontador?
Tinha aqueles relógios que vinham com várias pulseiras de cores diferentes para trocar?
Leu a série vaga lume?
Tinha aquela régua que ao bater no braço se enroscava como uma pulseira, a bate-enrola?
Usava aqueles brincos que vinham na cartela e se colava na orelha?
Tinha a mania de dançar jazz, igual à mulher do flash dance?
Usou polainas e tinha patins de prender nos tênis?
Colecionava as mini garrafas de refrigerantes? E a mãe dizia que tinha veneno dentro para que a gente não bebesse... E os ioiôs da coca-cola?
Respondia aos questionários das colegas? Normalmente, em um caderno, e a última pergunta era... De quem você gosta? Ou... Deixa uma mensagem para a dona do caderno...
Teve walkman am/fm amarelo à prova d'água?
Usava biquinis "asa delta“?
Morria de medo de ter um fofão porque falavam que ele vinha com um punhal dentro?
Colecionava os mini dinheiros que vinham dentro do saco de skiny?
Brincava de mês ou de salada mista e pedia um amigo para ver entre os dedos dele, para você beijar quem você queria?
Meu amigo(a), você que fez parte da geração anos 70, 80 e 90, não deixe que nossas lembranças sejam esquecidas!!!

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Minha infância e juventude em Acaraú



Eu nasci na casa da Rua Santo Antônio e desde os 3 anos vivi na casa da Rua Major Coelho.

Vivi no tempo bom do Acaraú, da infância inocente com brincadeiras tais como: esconde-esconde, 31, anel, triângulo, pião, bandeirinha, carimbo, roda, carteira de cigarro(dinheiro), castanha de caju(derrubar a caixa de fósforo), cai no poço, salada mista, reman-reman, futebol de areia(na Rua Major Coelho, na quadrinha em frente ao colégio, no campo em frente a igreja matriz).

Comia caju, azeitona, pitomba, goiaba, siriguela, guabiraba, manga, cajá, cajarana, umbu.

Os aniversários dos amigos eram simples; um pratinho com salgadinhos e bolo(com cobertura de maracujá com açúcar), bolas de soprar e ganhávamos um chapeuzinho(com a mesma estampa do pratinho).

Estudei no primário no Colégio Virgem Poderosa no jardim da infância com a Ir. Ester Cruz e com as professoras Gisela Rios, Crizeuda Carvalho, Lúcia Moura e Fátima Carvalho e as estagiárias.

Da 5ª até 8ª, básico, 2º e 3º Pedagógico com os professores: Fatima Brandão(português e gramática), Rosaly Vasconcelos(inglês), Lourdinha Vasconcelos(português), Mons. Edson(português, literatura, sociologia, psicologia), Ir. Zaina(história e geografia), Ir. Santana(matemática), Ir. Violeta(religião), Márcia Silveira, Dr Alba, Dr Gutemberg(biologia), Cletinho(física), Eurides Gomes, Dr Neto(biólogo), Paulo Andrade(técnicas comerciais) entre outros, lembro bem das diretoras Ir do Amparo, Ir Purificação, Ir. Margarida e Ir. Anunciação. Estudei também mora e cívica e OSPB. Os livros passavam de um irmão para o outro, para um amigo ou vizinho. Estudávamos assim e sempre tive amigos que passavam no vestibular, se formaram e hoje são destaques nas suas carreiras. 

Conclui o 3* pedagógico em 1985, passei em 15* em Ciências Físicas e Biológicas. Cursei um semestre, desisti para ser comerciante. Muitos amigos estudaram no Grupo Pe. Antônio Tomás, no Grupo Tomás Pompeu e no Ginásio São José. 

Como era bom: os banhos nos açudes da bailarina, das piranhas, do bal, o pirão de siri na camboa; sempre tomávamos ypióca ou colonial. O namoro começava com a paquera, serenatas; cartas e bilhetes pra ver se conquistava a garota. Tudo com respeito.

Tempo bons das serenatas nas casas das paqueras, tertúlias animada pela radiola e regada a coquetel(kisuki e maçã cortada, Badalo(Cabecinha), Salito(outra banda), Clube da Juventude, Biboca, Canecão, Play Gilson, Play Dance, Clube(Casa de Farinha), Clube do Rica; Carnaval(com confete e serpentina) animado pela Banda do André Silva e também os Blocos de Rua; Teatro, Cinema. As bebidas da época era ypióca, colonial, coquetel, caipirinha, leite de onça(leite condensado com cachaça) rum montila, martine, cerveja, old eight e teachers.

Mas ao longo do tempo tudo foi se perdendo, restam apenas as lembranças.

Totó Rios

Acaraú e sua riquezas



Segundo a história o Acaraú já foi um dos maiores produtores de carne de charque, um dos maiores produtores de lagosta do Brasil por município, éramos uma terra rica pois produzíamos: cêra e pó de carnaúba, mamoma, algodão, couro de criação, castanha, côco; meu pai Arimá Silveira foi um dos maiores comerciantes do Acaraú destes produtos, salinas(fabricação de sal), fábricas de conservas de peixe(camurupim), fábricas de cachaça, ateliê(fabrica de roupa).

A pesca ocupava relevante papel no sistema econômico de Acaraú. Este município já respondeu por 31% da produção oriunda da pesca artesanal, com produção média de 7,9 mil toneladas.

Tínhamos cinema, teatro, clubes, danceterias; o litoral rodeado de belas praias: Almofala, Volta do Rio, Espraiado, Arpoeiras, Preá, Jericoacoara; tínhamos os açudes do Bal, das Piranhas, da Bailarina, a Camboa (Pirão de Siri), Rio Acaraú com seu delta.

Acaraú (Acaracú) é importante pois já constava no mapa com o título “Mapa da Costa do Brazil: des-do Acaracú athé a Ilha de S. João”, é de autor desconhecido e foi feito no século XVIII em anexo.
Podemos confirmar a fabricação de Carne de Charque no Acaraú através da cópia do documento em anexo.

Devemos valorizar o Acaraú; por isto que desde 2008 resgato a história do Acaraú através de matérias e fotos no Acaraú pra recordar.


terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

1ª Postagem do Blog Acaraú pra recordar que completará 10 Anos

Confira a 1ª postagem do Blog Acaraú pra recordar no dia 28 de abril de 2008, dia em que comemoraremos 10 Anos do início do seu início, idealizado por Totó Rios, Historiador e Pesquisador da Cultura, História e Literatura de Acaraú. Com o objetivo de preservar, organizar e disponibilizar os conjuntos documentais fotográficos, livros, dados biográficos e descrição dos fatos para a preservação da História de Acaraú.